quarta-feira, 3 de julho de 2013

INSTANTI EXISTERE

Onde está ela?
A inspiração que havia?
E a paixão por esta?
Fomentada pelo laço da agonia..

Quem sou eu agora?
Não rabisco mais
Como poeta de outrora
Que num passado jaz

Me querem só beijos atrasados
Do tempo de amores
Que já estão ultrapassados
Voltando com murchas flores

As chuvas de agosto
Vieram muito tarde
Tal prêmio póstumo e sem gosto
Para um morto que está em Marte.

Eu vejo em olhos esverdeados,
Castanhos e negros brilhando
Desejos que antes renegados
Almejam agora me procurando

Os destinos são cruéis
E já foram desenhados
Apagá-los é impossível aos pés
De inocentes empenhados

Nem anjos, demônios, nem Deus
Quererão reaver o passado
Nem mesmo os amores meus
Que acima dos seus foram destacados!

Só um novo amor virá
Limpo das máculas antigas
Esse somente Deus pode exaltar
Vindo de novas mãos amigas

INSTANTI EXISTERE