quinta-feira, 19 de março de 2009

ANTROPOFOBIA ANFIGÚRICA


Por próprios contemporâneos paradigmas e exceções
A pseudoliberdade não aventa o questionar
E no meio de automáticas emoções
Confunde-se a verdade aspirando amar
O que não conhecem os corações
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Essência louca de tormentos inescrutáveis
Entregam-se aos enganos da ideologia utente
Constituindo-se pregadores execráveis
De uma vivência utopicamente presente
Propalando a ilição dos miseráveis
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Nós somos o que desconhecemos
Pois decidimos a imagem conceituar
Esquecendo o interior a que pertencemos
Tornando excêntrico e irregular
Quem só busca as soluções que queremos
O álcool serve apenas para omitir
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Brevemente uma difícil resposta carecida
Depois os idiotas têm que se despedir
E por isso a insatisfação é sentida
Pelo que desejavam realmente seguir
Procurando de forma iludida
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
A sociedade por isso hipócrita é
Por dizer que é, sem realmente ser
O que na verdade ter quer
E não tem por não saber
O mistério que lhes é